6 de jun de 2007

Tecnologia Limpa num paraíso ecológico

A Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, em Santa Catarina, é a primeira ilha oceânica brasileira a substituir o óleo diesel pela luz do sol na produção de energia. E quem ganha é o meio ambiente.


A Reserva Biológica Marinha do Arvoredo é um dos santuários naturais mais importantes do litoral brasileiro. Fica perto de Florianópolis, a 11 quilômetros da costa.

A reserva, de quase 18 mil hectares, é refúgio e local de reprodução para uma infinidade de espécies, tanto dentro como fora d’água. Intruso é o homem, que precisa manter em funcionamento o antigo farol que Dom Pedro II mandou erguer em 1881.

A luz que orienta os navios já foi acesa com óleo de baleia e, até pouco tempo, por geradores a diesel. Agora é a energia limpa e renovável do sol que alimenta, não só farol, como as outras instalações da Ilha Arvoredo.

O sistema foi instalado, a pedido da Marinha, por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina e técnicos da Companhia de Eletricidade do Estado. São 11 painéis fotovoltaicos capazes de transformar a luz do sol em energia elétrica e gerar uma potência de 13 quilowatts.


Segundo os pesquisadores, nem o tempo fechado, sem sol, atrapalha o funcionamento do farol. É que a energia fica armazenada em baterias e pode manter acesa a lâmpada e o motor que faz a lente girar por uma semana.

O uso da energia solar aposentou os geradores e acabou com a maior preocupação da Marinha: o transporte de óleo diesel para a ilha.

“Nós agora evitamos o risco de um acidente ambiental dentro de uma reserva biológica”, afirma o capitão de Fragada, Fernando Cavalcanti.

É o velho farol na era da modernidade. Seu facho de luz continua a orientar o caminho dos navegantes, agora, sem poluir o Santuário do Arvoredo.

(Texto adaptado da reportagem do Jornal Hoje/Rede Globo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário